Nova lei assegura sigilo do nome da vítima em casos de violência doméstica e familiar.

violence-against-women-4209778_1920
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Medida busca preservar integridade física, mental e psicológica da mulher agredida.

O presidente da República, sancionou a Lei 14.857/24, que garante sigilo do nome da vítima em processos que apuram crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher.

O sigilo se refere apenas ao nome da mulher. Não abrange o nome do autor do crime nem os demais dados do processo.

O novo texto altera a Lei Maria da Penha para assegurar maior proteção à mulher e preservar a sua integridade física, mental e psicológica.

A Lei 14.857/24 foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (22) e se originou do Projeto de Lei 1822/19, do senador Fabiano Cantarato (PT-ES), aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado.

Cantarato participou da solenidade de sanção realizada nesta terça, no Palácio do Planalto. Ele acredita que a medida protegerá a mulher da revitimização, permitindo que ela busque justiça sem ter que se preocupar com a exposição pública de sua vida privada.

Eis a alteração:

[…]

Art. 1º Esta Lei tem como objetivo determinar o sigilo do nome da ofendida nos processos em que se apuram crimes praticados no contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher.

Art. 2º O Capítulo I do Título IV da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 ( Lei Maria da Penha), passa a vigorar acrescido do seguinte art. 17-A:

“Art. 17-A. O nome da ofendida ficará sob sigilo nos processos em que se apuram crimes praticados no contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher.

Parágrafo único. O sigilo referido no caput deste artigo não abrange o nome do autor do fato, tampouco os demais dados do processo.”

Art. 3º Esta Lei entra em vigor após decorridos 180 (cento e oitenta) dias de sua publicação oficial.

[…]

Fonte: Agência Câmara de Notícias; LEI Nº 14.857, DE 21 DE MAIO DE 2024.

Outros Artigos...

Leia também outras informações sobre o meio jurídico.

STJ: Mesmo sob investigação, advogado não pode violar sigilo profis...
or maioria, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que é inadmissível a prova proveniente de...
STJ: O chamado estelionato judicial é conduta atípica
o denominado estelionato judicial é conduta atípica na esfera penal.
STJ: A autorização de entrada, feita sob estresse policial, não dev...
permissão para ingresso no domicílio, proferida em clima de estresse policial, não deve ser considerada espontânea, ...
STJ: O mandado de busca e apreensão deve indicar a pessoa e o local...
o mandado de busca e apreensão deve apontar, de maneira clara, a pessoa e o local onde a diligência ocorrerá, não pod...
STJ: A tentativa de se esquivar da guarnição policial evidencia fun...
a tentativa de se esquivar da guarnição policial evidencia a fundada suspeita de que o agente ocultava consigo objeto...
STJ: O espelhamento do WhatsApp Web na investigação criminal é poss...
É possível a utilização de ações encobertas, controladas virtuais ou de agentes infiltrados no plano cibernético, inc...
Dr. Guilherme Perlin
Guilherme Perlin Silva - Advogado Criminalista, R. Pres. Kennedy, 481 - Sobrado - Centro, Cascavel - PR
Copyright © 2024
Dr. Guilherme Perlin
Guilherme Perlin Silva - Advogado Criminalista, R. Pres. Kennedy, 481 - Sobrado - Centro, Cascavel - PR
Copyright © 2024
Dr. Guilherme Perlin
24 horas de segunda à sexta
Dr. Guilherme Perlin
24 horas de segunda à sexta

Dr. Guilherme Perlin

Copyright © 2024

Este site utiliza cookies para garantir que você tenha a melhor experiência. Ao clicar em 'ok" e continuar navegando, você concorda com a nossa política de privacidade